PublicacionesVolumen 7 Numero 1La política de la escucha. Formalismo y cuerpos sonoros

La política de la escucha. Formalismo y cuerpos sonoros

...bajar pdf...

Resumen

La musicología como disciplina científica ha producido una idea de música como objeto de co- nocimiento y ha dispuesto las condiciones en las que ese conocimiento debe llevarse a cabo. En estas condiciones, la música resulta comprendida a partir de sus representaciones gráficas y bajo una pretensión de sistematicidad, a costa de lo sonoro. Nuestras propias condiciones de escucha son diferentes y nos enfrentan a una diversidad de músicas, comportamientos sonoros, ruidos y sentido, que aquí se comprenden como exceso. Tras un análisis de algunos momentos en la historia de la musicología, en donde emerge el formalismo, se descubre también una liga- zón con la política, que hoy es ilegible y que exige una nueva atención. Se propone, entonces, una estética basada en la escucha –y no en la actitud científica–, en la que sonido y política convergen sobre un cuerpo dispuesto para el exceso.

Palabras clave: música, musicología, significado, escucha, política.

Abstract

Musicology as a scientific discipline has produced an idea of music as object of knowledge, and has set forth the conditions under which that knowledge might be attained. Under those conditions, music is understood overly through graphical representations and a pretention of sistematicitiy, leaving sound aside. Our own listening conditions are of a different kind and put us against a diversity of musics, sounding behaviours and sense, here comprehended as an excess. After analysing some key moments in the history of musicology where formalism emerges, a link with politics that today is illegible is discovered, calling for new attention. Finally a new aesthetics is proposed, based on listening –rather than a scientific attitude– where sound and politics converge over a body open to excess.

Keywords: Music, Musicology, Meaning, Listening, Politics.

Resumo

A musicologia como uma disciplina científica tem produzido uma ideia de música como objecto de conhecimento e tem proporcionado as condições em as quais esse conhecimento tem ser realizado. Nestas condições a música resulta compreendida a partir da suas representações gráficas e numa pretensão de sistematicidade, a costa do sonoro. Nossas próprias condições da escuta são diferentes e nos enfrentam a uma diversidade de música, comportamentos sonoros, ruído e sentidos, entendios aqui como excesso. Depois de um analise de alguns momentos na historia da musicologia onde surge o formalismo, descobre-se uma ligação com a política que hoje é ilegível, que exigem nova atenção. Então propor se uma estética centrada na escuta —e não na atitude cientifica— na qual o som e a política convergem num corpo disposto ao excesso.

Palavras chave: música, musicologia, escuta e política.

 

AddThis

AddThis Social Bookmark Button

Convocatoria Vigente

 

Explorando entornos mediáticos
Más información


 

Visita nuestro canal de Youtube Mavae video entrevistas

Síguenos en Facebook

 

NÚMERO ACTUAL: Volúmen 12-2

diseno: diego benavides. diego@nolineal.org